Na aula inaugural do Curso de Especialização Esperança Garcia, no Piauí, Rosane Borges lançou seu li


Nos convidando compreender a complexidade a partir das obviedades presente no racismo e no feminício, Rosane Borges, que é pós-doutoranda em Ciências da Comunicação pela ECA/USP, contribuiu com o debate contra colonial e de empoderamento das mulheres negras em Teresina. Na ocasião, ela participou da aula inaugural do Curso de Especialização em Democracia e Direitos Humanos "Esperança Garcia" da FAR.


Sempre chamando atenção para os corpos negros, constatemente invisibilizados em suas dores, protagonismo e debilidades várias, Rosane Borges questiona porque não causa espanto um jovem negro ser morto a cada 23 minutos no Brasil. Feminista Negra, e autora do livro também lançado no Piauí "Esboços de um Tempo Presente", ela chama atenção para o fato de que os corpos das mulheres negras é durante vilipendiado tanto quanto esquecido nas valas do senso comum. “O que nos falta é sermos vistas como sujeitas de direitos. Isto parece muito óbvio. Mas é uma redundância que é importante a gente fincar, Pensando como aquilo que resguarda a humanidade do outro”, afirma.


Ela chama atenção para os dados do Mapa da Violência, onde o número de feminício contra mulheres negras aumentou 54%, nos últimos dez anos, enquanto o de mulheres brancas diminuiu 10%. “A mortes destas mulheres é maior porque são elas que estão em espaços onde há a presença do Estado – não creio que o estado não chegue nas periferias, mas que ele chega pelo viés da violência”, contesta. Deste ponto de vista, ela considera que longe ainda estamos de alcançarmos a dimensão de humanidade para com os sujeitos negros. “Entendendo que os direitos humanos servem para delimitar o que a gente chama de civilização e esse território habitado por humanos”, explica, acrescentando que foram os negros que civilizaram todo o mundo colonizado pelos Europeus, com a sua força de trabalho e seu arcabouço cultural.


Analisando a conjuntura política brasileira, ela aponta que hoje, com as mudanças apontadas no Governo Temer, tais como, Lei das terceirizações e Reforma da Previdência, o capitalismo está explorando a humanidade de tal modo que todos teremos a experiência da espoliação negra, com a escravização, tanto negros como brancos.


Apesar da análise pessimista em relação ao presente e ao aprofundamento da precariza-ção no futuro ela afirma esperançosa “O mundo está flertando com a barbárie. Eu digo que sou pessimista na análise mas otimista na ação, eu sou gramsciana, ele dizia que o diagnóstico sempre tinha que ser ruim mas a nossa ação sobre esse diagnóstico tem que ser positiva”, diz isto afirmando que não se pode labutar, pois parar neste momento.

Fonte: Especialização em Direitos Humanos "Esperança Garcia" (FAR)

significa aceitar a barbárie.

Notícias em destaque
Noticias recentes
Arquivo
Procurar por tags
Redes Sociais
  • Instagram - White Circle
  • YouTube - White Circle
  • Facebook - White Circle

© 2016 por Malê edições. Criado por Francisco Jorge