Chamada para publicação - Histórias de comunidades e bibliotecas



Histórias de comunidades e bibliotecas

Quanto os profissionais da informação estão preocupados com as pessoas ao desenvolverem produtos, serviços e atividades em bibliotecas? Pode parecer redundante, mas você já se perguntou o quanto sua comunidade tem um senso de pertencimento por sua biblioteca? O que falta para a sociedade compreender e defender as bibliotecas como espaços essenciais para uma formação cidadã ao longo da vida? Esta “cegueira” é resultante de uma construção do profissional da informação influenciada pelo tecnicismo? Esta coletânea busca reunir tanto práticas, como reflexões teóricas propositivas para a transformação de bibliotecas em espaços que potencializem o ser humano, a partir dos diferentes focos da atuação profissional: cultural, política, social, étnica, tecnológica, técnica, epistemológica, entre outras.


A Biblioteconomia, por sua natureza e dentro de uma infraestrutura acadêmica, subentende-se como uma ciência social aplicada. No Brasil, por influência norte-americana, que foi uma das vertentes que delineou os primeiros cursos na área, certos aspectos técnicos receberam mais destaque que aqueles voltados para o viés social.


Nos últimos anos, entretanto, tem surgido discussões, mesmo que timidamente, que repensam o papel de nossas bibliotecas, mais centradas nas pessoas e em suas necessidades informacionais cada vez mais desafiadoras. A importante atenção dada aos suportes informacionais ainda permanece, mas atrelada a ela, é fundamental que os profissionais da área se questionem, crítica e reflexivamente sobre o papel social das bibliotecas. Este não é um debate somente de nosso país, o panorama é global.


Para colaborar com essa discussão, queremos trazer um livro que expanda nosso olhar em torno desses equipamentos tão importantes para a sociedade, sem trazer novos nomes para ‘bibliotecas’ ou ‘Biblioteconomia’, mas fortalecê-los. Para a coletânea, comunidades são entendidas como o contexto em que a biblioteca se insere (bairro ou cidade, universidade, escola, empresa, cárcere, populações em situação de vulnerabilidade, entre outras). Serão aceitos textos em formatos de ensaio, com contribuições crítico-reflexivas ou de relatos de projetos/ações/atividades de qualquer tipologia de biblioteca nas seguintes perspectivas:

  • Representações sociais no desenvolvimento de acervos: mulheres, negros, indígenas, LGBTQIA+, refugiados e outras fora do circuito comercial editorial;

  • Classificação e catalogação sociais e acessíveis, trazendo representatividade (étnica, de gênero, cultural, entre outras) nos catálogos;

  • Fortalecimento do senso cidadão e comunitário a partir da informação qualificada e verídica;

  • Adoção de tecnologias responsáveis no tratamento de dados, combate às fake news, entre outras;

  • Desenvolvimento da economia local/regional a partir de cidadãos bem informados e o apoio da biblioteca provendo produtos e serviços a este contexto;

  • Preservação da memória e da cultura local, considerando diferentes fontes de informação (inclusive as menos tradicionais);

  • Mediação da informação e da leitura para populações em vulnerabilidade;

  • Planejamento e gestão da biblioteca por um viés de cultura da participação, descentralizada e democrática;

  • Reconstrução social para o pós-pandemia: leitura e informação para o desenvolvimento humano;

  • Reflexões e atitudes em torno da biblioteca sem a necessidade de utilizar novas nomenclaturas para defini-la;

  • Aprendizagem (dentro e fora dos espaços de formação), competências e literacias para a criticidade e empoderamento;

  • Os desafios da formação da pessoa bibliotecária: as exigências do sistema acadêmico, a pressão do mercado e as demandas da comunidade.

A obra pretende envolver as diferenciadas tipologias de bibliotecas, com textos que sejam propositivos e que ajudem a reforçar e aprimorar a discussão em torno das bibliotecas e suas comunidades, portanto, não queremos esgotar as propostas somente com os temas supracitados.

Todos os textos serão avaliados em uma perspectiva global da obra, buscando diversificar as tipologias de bibliotecas e temáticas adotadas. Por solicitação do organizador, poderão ser solicitadas alterações no texto, mesmo após aprovação, mas somente pelo motivo de qualificá-lo.


Sobre o envio:

Prazo: 30/07/2021

Lançamento: 29/10/2021, em evento online.

Extensão: de 7 a 15 páginas, espaçamento simples, fonte 12, Times New Roman ou Arial. Ao final, apresentar os dados biográficos da autoria. Evite utilizar a estrutura de um artigo científico, a proposta dos capítulos é que eles sejam em formato de ensaios.


Enviar via e-mail, com capítulo em formato .doc (Word), para jorge.exlibris@gmail.com


Não haverá custos para os autores pela produção do livro, que será publicado somente em formato impresso. Após o lançamento, para cada artigo publicado, os autores receberão 5 exemplares da obra.


Notícias em destaque